sexta-feira, 8 de Maio de 2009

A nossa Fé…



O Editor

Camilo Mortágua


Ser Editor não é ser “fazedor” dos conteúdos duma revista. O Editor está para a revista como o médico está para a criança nascida de cesariana. Cuida de A dar à luz do vosso interesse e possível admiração, mas obviamente não lhe compete o prazer e esforço da sua fecundação, essa é uma tarefa que desejamos partilhada pelo maior número possível de “Pais”.

Mesmo assim, este número, embora à partida se antevisse “um parto difícil”, deixou-nos a satisfação própria dos projectos bem sucedidos. O grande tema escolhido – “A Crise e a Fé” revelou-se suficientemente apelativo para interessar um diversificado leque de pessoas a participar da sua “criação”.

Toda a equipa está satisfeita e agradecida a quantos contribuíram para esta entrega que agora vos fazemos. Estamos convencidos que a decisão de nos ler será compensada pela satisfação de se sentirem mais conhecedores das diferentes formas de pensar de muitas das pessoas que nos rodeiam e que são detentoras de responsabilidades e poderes que, de uma ou de outra forma, têm que ver com as nossas próprias vidas.

É deveras gratificante poder contar com a dedicação e inteligência dos colaboradores que nos honram com o seu trabalho.

Voltamos a inserir a rubrica “ Inovadores e Pioneiros”, para poder preencher uma lacuna até hoje em aberto, reconhecendo o mérito daquele que talvez mereça a distinção e o título de “Pioneiro de todos os Pioneiros da BIS” – José Ribeiro Henriques, fundador da CENTAURO.
Também inserimos nas páginas deste número, na “Tribuna da Cidadania”, uma entrevista com uma personalidade natural da BIS, de há muito pensada, Homem de extenso percurso cívico e conceituada e reconhecida competência ao serviço da educação superior em Portugal e não só, o Prof. Doutor. António Martins da Cruz, reitor da Universidade Lusíada.

Pela oportunidade de conhecer o pensamento do novo Bispo de Portalegre e Castelo Branco, neste tempo de angustiantes incertezas morais e materiais, entendemos ser importante atentar nas suas palavras, para melhor compreendermos a pluralidade de pensamento duma instituição como a igreja católica.

Por tudo isto, gostaríamos que o conjunto destas páginas não constituísse “mais uma revista”. Pretendemos que cada número da VIVER constitua um documento que se guarda, como coisa de culto, e ao qual se volta sempre que nos vem à memória um assunto nela tratado. Talvez seja demasiada pretensão da nossa parte, mas é com esse objectivo que, número a número, cuidamos de a “dar à luz” o mais limpinha e sã possível.


Descarregue PDF da Revista Viver 12

1 comentário:

platero disse...

caro Camilo

VIVER - A Crise e a Fé, bom documento sociológico; apresentação gráfica de qualidade rara; conteúdo temático de eleição

parabéns a todos e particularmente ao meu amigo.
Continuação de bom trabalho